Páginas

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

(...)

...we'd get huge cheeks and lips aching terribly.
Sou feliz.A felicidade me assombra,virou parte de minha rotina.Só queria ser triste,sangrar e ter gritos implorando para serem gritados.Mas me resta a calmaria,o silêncio que esmagou as entrelinhas sem som algum.Como telefone implorando para ser tocado,mas não há ninguém querendo ouvir tua voz.
Sou toda sorriso,mas que merda de sorriso o que?Desculpe-me o palavriado chulo,mas é que palavrão soa a ódio e tristeza,tudo que preciso nesse momento.Quero poder sentir sangue correr pelas veias e ter aquele tal ódio que tem sabor de bolacha que caiu no chão,mas o que não mata engorda,não é mesmo?
Quer saber,felicidade é bom,mas muita dá indigestão e uma vontade danada de vomitar.

2 comentários:

Naty Araújo disse...

Como dizem: "Tudo que é demais não é bom", concordo. E nesse lado tbm.

Deve ser tudo com moderação, não?

Belo texto.

Beijos

Ana Olivia disse...

Ah, a afelicidade repentina!
Adoro! hehehe, as vezes dá uma agonia pq parece q nao estamos aproveitando a vida, ou melhor, parece que nao estamos vivendo intensamente.
Essa necessidade de emoção, necessidade de ter uma sensação de extravagancia alem do normal...ah! cuidado com isso, as vezes é bom sentir a felicidade repentina se formando em um sorriso saliente a uma tristeza latente que so te enche de lagrimas ns olhos.
_
mt obrigada por ter ido la no breakfast e por ter deixado um comentario tao fofo sobre o meu novo layout, fiquei muito feliz, tmb, pq deu mt trabalho, hehehe!
beijocas