Páginas

domingo, 7 de novembro de 2010

Sobre finais

Não quero final feliz,simplesmente porque não não quero final algum.Sou menina teimosa que quando arreda o pé com algo só fica feliz quando consegue.Final seria muito trágico,soa-me a passos de caveira com machado.Sou toda viva,morrer me entediaria.Vezenquando penso em finais,prefiro sempre os mais dramáticos,é luxuoso.Sou grande artista de novela mexicana,meu final seria um :"Amo-te,mas não me amas.Boom". Mesmo que já esteja velha,sem dentes e com o miocárdio a um tris,essa cena seria meu grande triunfo e ganharia prêmio em concurso chinfrino.
Mas ainda assim esse tal de final aparenta a monotonia café-com bolacha de sal diária.Em compensação é melhor que vidinha entediante.Mas não quero,não aceito,final é a violentação de um escritor.Porque comecei esse texto se terei que terminá-lo e ele voltara ao esquecimento?Porque viver se um dia se morre?"Porque é necessário,não se termina o que não começa."Ou,"porque esse é um grande dom e não pode não acontecer."Ou ainda,"ah menina insuportável pare de histórias sem pé nem cabeça,tu ainda nem terminou os primeiros capítulos,já fala em fim.Saumensch,idiota!"
Santas vozes que a mente projecta me minha mente,aja paciência para continuar e nunca parar.Acho que estou adiando o fim,mas é necessário que ele venha,ou esses leitores se enjoariam e apertariam no x para se livrarem de minha doentia pelas palavras.Mas o que eles tanto querem?O que esperam de mim?Um pouco de poesia depois caminha com bons sonhos?Não me culpem por me ligar tanto a esses garranchos,as entrelinhas são meu oxigênio,não posso abandoná-lo.
Estou tentando me controlar,tentando dar linhas dignas a esse texto e fazê-lo imortal,mas não consigo.Me apavoro com a verdade me encarando nos olhos,a tinta começando a falhar e esse som de ponteiro avançando.Gostaria de não dar um final a esse texto,mas como se já comecei e se não escrever mais nenhuma palavra esse se tornaria o fim,do mesmo jeito?
Perdoem-me caros leitores,mas esse fim terá que ser abrupto,desmanchar laços aos poucos não me é saudável.Terá que acontecer,serei hipócrita,mas esse é o ritmo da vida.Ahh,adeus.Boom.

Terminado,percebi que fim não é definitivamente o final.o final continuará sendo sempre escrito e realterado,mas nunca se chegará.As coisas são feitas de ciclos,eles sim terminam.A vida é um eterno recomeçar.Inclusive pode levar-te de devaneios a conselhos bobos de mulher que acha que sabe algo da vida.

4 comentários:

Livyale disse...

adoro ler a sua eterna transformação.
a sua eterna contradição, e principalmente a sua eterna vontade de continuar, mesmo q manccando.
Pode ainda nao seres uma mulher completamente sábia, mas para alguem que aconselha vc sabe alguma coisa ou outra da vida, rss. Sem contar que o q t torna mulher e boa conselheira, nao é qntos segundos ja se respirou, mas qntos tombos vc ja se levantou.

Lívea Colares disse...

Ler esse texto me fez lembrar de uma frase que ouvi em uma série certa vez, que diz mais ou menos assim: "Só porque a música vai acabar não significa que não devemos ouvi-la"

Daniella Ockner disse...

O que começa termina e não cabe a nós tentar evitar, mas sim, tentar tirar o máximo proveito disso, respeitando os ciclos que criamos ou aqueles dos quais inevitavelmente fazemos parte. Antes nos preocupemos com a nossa evolução e essência do que com o medo dos finais! Lindas as suas palavras =)

Luiza disse...

assim, MUITO obrigada pelos comentários encantadores no meu blog. são lindos e me deixam muito feliz. eu tenho trauma de finais e indago porque que tudo tem que terminar, mas como você disse, são ciclos, e que bom que outros recomeçam, pois mesmice enjoa. adorei sei post, forte, ritmado. beijão