Páginas

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Sra. morte

Todos nós fazemos planos para o futuro e só contamos com tua visita lá por volta dos 95,100 anos quando tivermos realizado todos os sonhos e podemos enfim descansar em paz.Mas és cruel-e não adianta escrever um livro falando que és bondosa,pois não acredito.Para mim és sim bicho feio de sete cabeças,és inconstante e precipitada e, não merece minha consideração.
Pior que ti não há,poderia ter horário marcado para levar-nos ,mas és egoísta e não nos noticia nem quando,nem onde,nem porque.Poderia escolher outro órgão para bater,mas opta logo pelo coração.Porque não escolheu os rins,pâncreas ou algo menos pessoal?E porque sendo a única certeza na vida,nós recusamos a aceitá-la e só percebemos que temos que viver intensamente quando estamos com alguma doença grave?
És um mau necessário,afinal imagine como seria um mundo com uma população com mais de  9.586.217.617.851.548.564.236.993.184.607 habitantes.O mundo seria um lugar ainda mais desumano e as pessoas não se entenderiam.Porém não se engane,não estou redimindo tua culpa .Apenas sei que temos que tratar-te sem ilusões.Mais porque ainda assim leva as pessoas que mais amamos?Porque deixa crianças sem pai,nem mãe a mercê do mundo?Não sentes nem ao menos um frio na espinha?
Chamo-te de sra.,mas há certa contradição nisso tudo,pois gênero feminino não seria capaz de tamanha crueldade,apenas chamo-te assim pois me soa mais agradável e ameniza o cheiro de cadáver apodrecendo.
Então diga-me sra.morte,estás comigo a vida toda e presencia os meus maiores feitos ou sou uma completa desconhecida a ti e na hora de levar-me embora nem olha em minha cara?E existe realmente vida após a morte ou é invenção de nossas cabeças?É essa a função dos espíritos,para acompanhar-nos por diferentes e descartáveis corpos?
ah sra.morte,seja ao menos pouco gentil e simpática e responda-me essa carta.Não seja da teoria do "só se aprende vendo",pois não quero te ver tão cedo.Quero apenas palavras,em tinta de sangue se preferir,e explicações convincentes.
E porque com tua ameaça constante ainda desperdiço tempo com esse texto que não sei se será lido,gostado ou motivo de piadas em botequim de beco fedorento e não vivo,sem preocupar-me com o  tempo,bobagens diárias?Então quando chegasse minha hora poderia falar:"Leva-me,mas não ouse tocar nesse corpo,ai de ti se por travessura me arranhar ou arrancar um fio de cabelo.Deixe esse corpo sofrer por alterações externas,mas não ouse adiantar nada,quero que o corpo chegue impecável para sete palmos abaixo do chão.E carregue minha alma direito,nada de carregar-me com multidões,quero privilégios."
Responda-me sra. morte,porque de tanto te odiar reconheço que és mais que necessária?Porque sem a sua ameaça não daríamos tanto valor a vida?Por quê?

Escrito em 01/11/10 ás 01:05.

3 comentários:

Livyale disse...

reconhecemos que a morte é necessária, pois passamos a entender que ela é presente em cad momento nosso. Ah, o homem precisa da morte para se lembrar que nao é deus, lembrar que nao é dono do seu eu próprio. Temso q ter em mente que momentos em q podemos fazer o q qsermos sao raros e devem ser bem aproveitados, pois cerca de 2/4 da nossa existencia cumprimos com as obrigaçoes que sao impostas por uma sociedade incostante e incosciente que prefere fingir que so vai morrer em 300000000

Lívea Colares disse...

Parabéns, esse texto é muito legal, um dos melhores que já li em seu blog!!

Ellen Damaris disse...

nossa pensei em tantas coisas lendo esse texto, eu quero viver bastante siim, quero ser bem velhinha, e ser respeitada e vamos respeitar o velhinhos tbm !
beeijos